Posts Tagged ‘INB’

População de Caetité realiza manifestação e impede entrada de carretas para a INB

16/05/2011

Depois dos comentários de que estavam sendo enviados para o município de Caetité uma carga contendo lixo radioativo, a população montou guarda na Avenida que dá acesso às Indústrias Nucleares do Brasil – INB e impediu a passagem do comboio que chegou ao município no início da noite deste domingo. Mais de 3.000 pessoas formaram uma barreira humana para impedir que as 13 carretas tivessem acesso ao destino. A Polícia Federal que escoltava o comboio nada pode fazer e a carga foi desviada para Guanambi, onde aguarda uma posição, no pátio do Batalhão de Polícia Militar. Gritando palavras de ordem, a população exibia cartazes, faixas e gritavam que “Caetité não é depósito de lixo”, pedindo uma posição do Prefeito. O Prefeito do Município Zé Barreira, chegou ao local por volta da 9 da noite e no depoimento dado à imprensa e no carro de som que estava no local, foi contraditório e recebeu vaias. Inicialmente o Prefeito assumiu que não sabia da chegada dessa carga e em seguida alegou que a INB tinha a autorização do IBAMA. Questionado pelo Padre da Paróquia de Caetité, Padre Osvaldino, que exigiu do Prefeito a garantia de que a carga não seria depositada no município, o Prefeito se esquivou, dizendo que “primeiro teria que se reunir com sua Assessoria Jurídica para uma posição”.

Mesmo depois que as carretas foram encaminhadas para Guanambi, populares continuaram montando virgília no local para impedir que o transporte fosse feito na calada da noite. O vereador Álvaro Montenegro também vaiado, chegou a agredir um menor com empurrões.

O PREFEITO ERA O ÚNICO QUE NÃO SABIA

Se a população sabia da carga e montou barreira para impedir sua passagem, o Prefeito não sabia? E se o Prefeito não sabia da carga, como sabe que a INB tem autorização do IBAMA? Estranho para quem é funcionário da INB há anos e mantém um relacionamento estreito com a direção da empresa.

A CARGA

Há suspeitas de que esta carga é a mesma que saiu da cidade de Poços de Caldas – MG, na década de 1990, sendo destinada a São Paulo para ser utilizada pela Marinha Brasileira em um projeto de submarino nuclear. Segundo ainda informações extra-oficiais, esse material, após ser utilizado no projeto, ficou confinado em algum lugar da capital paulista (na região de Interlagos), até a liberação para ser encaminhada de volta para Poços de Caldas. No período em que esta mesma carga seria enviada de volta àquela cidade, no ano 2000, o então Governador de Minas Gerais, Dr. Itamar Franco, proibiu a entrada da carga radioativa no Estado, inclusive colocando um helicóptero para sobrevoar a área da INB, proibindo a entrada ou saída de quaisquer caminhões com contêineres.

Reportagem Jó Oliveira

http://www.icaetite.com.br/?lk=4&id=7570

Confira as fotos:

Anúncios

Brasil: vergonha nuclear

23/09/2010
Em entrevista recente ao portal atividades nucleares, o diretor de Recursos Minerais da INB, Otto Bitencourt, fez a seguinte afirmação:
“A região de Caetité é considerada uma Província Uranífera em razão dos grandes depósitos desse mineral que lá se encontram. Portanto, as águas de seu subsolo apresentam maiores teores de urânio, da mesma forma que acontece em regiões onde existem grandes quantidades de ferro – as águas contêm alguma quantidade de ferro. A verdade é que esse urânio presente nas águas é urânio natural, com o qual a população convive desde sempre e que não causa nenhum dano à saúde.”, explicou, e completou: “A empresa pode afirmar, baseada em dados científicos, que a nossa atividade não provoca a contaminação das águas daquela região e mais: que o urânio encontrado nas águas é urânio natural, como se encontra na natureza do local”.
É no mínimo, curioso…
A indústria nuclear, através da INB, CNEN e outros atores radioativos, vêm cultivando a desinformação. Na revista veja e em diversos outros veículos de informação, afirmam nunca ter existido contaminação em Caetité, mesmo após a comprovação científica que envolveu vários órgãos do governo, como o Ingá, da Bahia e o próprio IPEN. Agora, a contaminação existe… Mas é natural!!!!
O fato é que tanto a INB quanto a CNEN afirmam realizar milhares de estudos periodicamente e não encontram contaminação. Os resultados desses estudos? Ninguém nunca viu… Agora a contaminação existe. Mas dados científicos comprovam que a mina não está provocando ou agravando a contaminação. São os mesmos dados que diziam não haver contaminação e que agora repentinamente mudaram de opinião? Nunca vi dados científicos mudarem de uma hora para outra…
Enquanto isso, a população continua a beber água contaminada sem saber os males que isso implica.
Enquanto isso, muita gente ainda bebe água sem a certeza de sua qualidade, pois muitos pontos de coleta ainda não foram analisados.
Enquanto isso, a água contaminada serve para dar de beber a animais e para regar plantações.
Enquanto isso, esses produtos agrícolas sofrem preconceito e populações sem alternativas econômicas não recebem apoio do governo.
Enquanto isso, a justiça determina o fornecimento de água de qualidade, mas nada é feito.
Enquanto isso, a CNEN sabe da contaminação (que apesar de dizerem ser natural não deixa de ser contaminação e apresentar graves riscos!) e nada faz para alertar à população, não cumprindo com o seu papel de agência fiscalizadora e apenas aparecendo publicamente para, com unhas e dentes, defender a INB.
Enquanto isso, o Brasil pretende expandir seu programa nuclear, com mais reatores, mais minas, enquanto as vítimas de Caetité, Goiânia, Caldas, Santo Amaro, ainda não foram devidamente indenizadas e muitas vezes nem ao menos reconhecidas. E a mina e os reatores operam com condicionantes em aberto, tendo licenças contra os pareceres de técnicos da própria CNEN, renovadas mais vezes que a lei permite e sem estudos independentes que abordem o possível impacto das instalações.
Enquanto isso, as energias renováveis ficam cada vez mais baratas e a energia nuclear mais cara, sem contar as vidas que são pagas pela irresponsabilidade desse programa…
E se eu continuar escrevendo os enquanto issos, fico cada vez mais indignado.
Está claro que nuclear não é o caminho.
Precisamos de energia sim, mas segura, limpa e renovável.
Não existem argumentos que justifiquem o desvio do rumo a um Brasil limpo.
Por um Brasil 100% renovável,
 
André Amaral.

Deputada alemã ouve moradores que vivem em torno de mina de urânio

17/09/2010

 

Sábado, 04 de Setembro de 2010

Dos 11 poços de abastecimento abertos pela empresa estatal INB,  em Caetité, nove tiveram que ser lacrados devido aos altos índices de urânio encontrados na água.

Por Fundação Heinrich  Böll

Terminou a viagem de uma semana de Ute Koczy, deputada federal pelo Partido Verde da Alemanha, ao Brasil, organizada pela Fundação Heinrich Böll. Sem poder visitar a mina de urânio de Caetité, a deputada encontrou afetados, ambientalistas e políticos da região e do Estado e discutiu os perigos da mineração e as consequências políticas das aspirações brasileiras de fechar o circuito nuclear. O fornecimento e controle da qualidade da água, o monitoramento da saúde da população local e a certificação de qualidade para os seus produtos agrícolas foram as principais demandas apresentadas à deputada federal alemã Ute Koczy na sua visita à zona rural dos municípios de Caetité e Lagoa Real, no sertão da Bahia.

Dos onze poços de abastecimento que foram abertos pela empresa estatal federal Indústrias Nucleares Brasileiras (INB), dona da mina de urânio no local, nove tiveram que ser lacrados devido aos altos índices de urânio encontrados na água. Estudos do Instituto de Gestão das Águas e Clima (Ingá), do governo baiano, comprovaram que o lençol freático da região está contaminado a ponto de constituir risco para a saúde das famílias que vivem próximas da mina. E o que é pior, essa fonte primordial de água naquela região do semi-árido vem diminuindo desde que a INB deu início à extração de urânio em Caetité, em 2000. Como as autoridades não providenciaram carros-pipa, algumas famílias, desesperadas, reabriram os poços lacrados para obter água, mesmo sabendo do risco de contaminação que correm.

A falta de informações por parte da INB foi outra reclamação das famílias afetadas. Já aconteceram diversos incidentes na mina, “mas é sempre preciso que haja outro tipo de vazamento, o de informação – através de um trabalhador da mina, que nos informa –, para que o público possa tomar conhecimento, por exemplo, do vazamento de liquor uranífero das lagoas de decantação da mina”, informou um representante de associação de moradores à deputada Ute Koczy. Devido às incertezas em relação ao nível de contaminação e seus efeitos para a saúde humana, os agricultores da região da mineração já não conseguem vender seus produtos nas feiras.

A crônica falta d’água, a ausência de monitoramento dos sérios riscos que a mineração de urânio oferece à saúde, a desinformação e os prejuízos econômicos já foram denunciados por organizações como o Greenpeace, o Grupo Ambientalista da Bahia (Gambá) e a Associação Movimento Paulo Jackson, além de diferentes órgãos públicos, tendo resultado em ações judiciais: o Ministério Público Federal na Bahia ajuizou, em junho do ano passado, uma ação civil pública com pedido de liminar para que a INB interrompesse suas atividades de mineração de urânio na região até que a segurança da população e do meio ambiente estivesse garantida.

Essa ação requer ainda que seja feita a separação entre a promoção e a fiscalização das atividades nucleares no país, hoje a cargo de um mesmo órgão – a Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen). Segundo analistas, isto fere a legislação internacional sobre energia nuclear, à qual o Brasil está submetido. O Ministério Público demandou ainda que a União e a Cnen paguem pela realização de uma auditoria independente sobre as atividades da INB na região, e que o Ibama suspenda a eventual licença ambiental existente, não concedendo outra até a INB atenda às requisições da ação civil pública.

Em outra ação, movida pelo Ministério Público Estadual (MPE), a INB, o governo da Bahia e as prefeituras de Caetité e Lagoa Real foram condenadas a fornecer água potável aos moradores da região afetada, a garantir assistência de saúde às populações locais, a realizar estudos hidro-geológicos para avaliação da extensão da contaminação do lençol freático, a executar análise dos produtos agrícolas da área do entorno da mina, e outras 21 determinações. Essa ação do MPE foi julgada – em última instância – no Supremo Tribunal Federal, que confirmou a condenação dada pelo juiz de Caetité.

“As condições das pessoas afetadas são dramáticas. Elas se sentem impotentes frente ao grande poder das indústrias nucleares e precisam urgentemente de ajuda. A situação em Caetité ainda demonstra claramente que os problemas provocados pela energia nuclear não se referem apenas a questões como o armazenamento final dos rejeitos de alta radioatividade ou a segurança dos reatores. Eles estão presentes desde o início do ciclo, com a extração do urânio do solo”, avaliou a deputada.

Antes de ir a Caetité, Ute Koczy foi a Angra dos Reis (RJ), onde visitou a usina nuclear de Angra 2 e se encontrou com ambientalistas. Esteve também no Rio de Janeiro, Salvador e em Brasília, reunindo-se com representantes do governo, entre eles a secretária de Meio Ambiente do Rio de Janeiro, Marilene Ramos, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e José Antonio Corrêa Coimbra, secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, além do diretor de pesquisa e desenvolvimento da Cnen, Marcos Nogueira Martins, e do encontro com a ONG AVCesio (Associação das Vítimas do Césio 137).

Ainda teve encontros com altos representantes do Partido Verde, como o presidente nacional do partido, José Luiz Penna, o secretário de relações internacionais, Marco Antonio Mróz, o presidente do PV no Distrito Federal e candidato a governador do Estado, Eduardo Brandão, o presidente do PV na Bahia, Ivanilson Gomes, e Edson Duarte, também do PV baiano e candidato ao Senado. No Rio, reuniu-se com os principais candidatos do Estado, Fernando Gabeira, Alfredo Sirkis e Aspásia Camargo.

A visita da deputada Ute Koczy foi organizada pelo escritório da Fundação Heinrich Böll no Brasil, uma organização política sem fins lucrativos, que se entende como parte da corrente política verde, representada na Alemanha pela coalizão partidária Aliança 90 / Os Verdes.

Para saber mais sobre o trabalho da Fundação Heinrich Böll, acesse www.boell.org.br.

INB contesta a Fundação Heinrich Böll

Em nota enviada pela assesoria de Comunicação da INB à Redação, a empresa contesta as denúncias feitas pela Fundação Heinrich Böll e pelos ambientalistas, divulgadas pela EcoAgência de Notícias. De acordo com a empresa,  as informações sobre suposta contaminação da água em Caetité “são inteiramente falsas” e destituídas de base técnica. Na nota, a INB salienta que toda a atividade da empresa também é fiscalizada pelo Ministério do Meio Ambiente, através do Ibama, que até o momento não teria detectado nenhuma presença irregular de urânio naquelas águas. Afirmando que a empresa “entende a posição de entidades ambientalistas contrárias ao Programa Nuclear Brasileiro”, a INB destaca que uma missão da Agência Internacional de Energia Nuclear, órgão da ONU, esteve em Caetité, durante 10 dias, “analisando todos os aspectos que envolvem a atividade da INB em Caetité, e concluiu que a operação da mina é segura e não provoca impactos ao meio ambiente”.

Sobre as contestações da INB à matéria jornalística e o seu pedido de espaço para expor a sua versão dos fatos, a Redação da EcoAgência reafirma seu compromisso com a busca da informação correta e com a apuração dos fatos. Desta forma, está aberta a publicar as diferentes versões de todos os envolvidos na questão. Salienta, no entanto, que as matérias divulgadas pela agência não refletem apenas “opiniões de grupos”, como alega a INB, e sim a preocupação de ambientalistas, especialistas, lideranças políticas e, principalmente, de moradores da região expostos aos possíveis impactos ambientais de empreendimentos deste porte. Tampouco a EcoAgência se pauta pelas versões de veículos da grande mídia e de credibilidade duvidosa, como a Revista Veja. Reafirmamos também o nosso compromisso em dar voz e oportunidade para que aqueles segmentos da sociedade e organizações não-governamentais que lidam com a causa ambiental e encontram pouco ou nenhum espaço na mídia massiva.

Leia abaixo a íntegra da nota emitida pela INB:

Terminou a viagem de uma semana de Ute Koczy, deputada federal pelo Partido Verde da Alemanha, ao Brasil, organizada pela Fundação Heinrich Böll. Sem poder visitar a mina de urânio de Caetité, a deputada encontrou afetados, ambientalistas e políticos da região e do Estado e discutiu os perigos da mineração e as consequências políticas das aspirações brasileiras de fechar o circuito nuclear. O fornecimento e controle da qualidade da água, o monitoramento da saúde da população local e a certificação de qualidade para os seus produtos agrícolas foram as principais demandas apresentadas à deputada federal alemã Ute Koczy na sua visita à zona rural dos municípios de Caetité e Lagoa Real, no sertão da Bahia.

Dos onze poços de abastecimento que foram abertos pela empresa estatal federal Indústrias Nucleares Brasileiras (INB), dona da mina de urânio no local, nove tiveram que ser lacrados devido aos altos índices de urânio encontrados na água. Estudos do Instituto de Gestão das Águas e Clima (Ingá), do governo baiano, comprovaram que o lençol freático da região está contaminado a ponto de constituir risco para a saúde das famílias que vivem próximas da mina. E o que é pior, essa fonte primordial de água naquela região do semi-árido vem diminuindo desde que a INB deu início à extração de urânio em Caetité, em 2000. Como as autoridades não providenciaram carros-pipa, algumas famílias, desesperadas, reabriram os poços lacrados para obter água, mesmo sabendo do risco de contaminação que correm.

A falta de informações por parte da INB foi outra reclamação das famílias afetadas. Já aconteceram diversos incidentes na mina, “mas é sempre preciso que haja outro tipo de vazamento, o de informação – através de um trabalhador da mina, que nos informa –, para que o público possa tomar conhecimento, por exemplo, do vazamento de liquor uranífero das lagoas de decantação da mina”, informou um representante de associação de moradores à deputada Ute Koczy. Devido às incertezas em relação ao nível de contaminação e seus efeitos para a saúde humana, os agricultores da região da mineração já não conseguem vender seus produtos nas feiras.

A crônica falta d’água, a ausência de monitoramento dos sérios riscos que a mineração de urânio oferece à saúde, a desinformação e os prejuízos econômicos já foram denunciados por organizações como o Greenpeace, o Grupo Ambientalista da Bahia (Gambá) e a Associação Movimento Paulo Jackson, além de diferentes órgãos públicos, tendo resultado em ações judiciais: o Ministério Público Federal na Bahia ajuizou, em junho do ano passado, uma ação civil pública com pedido de liminar para que a INB interrompesse suas atividades de mineração de urânio na região até que a segurança da população e do meio ambiente estivesse garantida.

Essa ação requer ainda que seja feita a separação entre a promoção e a fiscalização das atividades nucleares no país, hoje a cargo de um mesmo órgão – a Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen). Segundo analistas, isto fere a legislação internacional sobre energia nuclear, à qual o Brasil está submetido. O Ministério Público demandou ainda que a União e a Cnen paguem pela realização de uma auditoria independente sobre as atividades da INB na região, e que o Ibama suspenda a eventual licença ambiental existente, não concedendo outra até a INB atenda às requisições da ação civil pública.

Em outra ação, movida pelo Ministério Público Estadual (MPE), a INB, o governo da Bahia e as prefeituras de Caetité e Lagoa Real foram condenadas a fornecer água potável aos moradores da região afetada, a garantir assistência de saúde às populações locais, a realizar estudos hidro-geológicos para avaliação da extensão da contaminação do lençol freático, a executar análise dos produtos agrícolas da área do entorno da mina, e outras 21 determinações. Essa ação do MPE foi julgada – em última instância – no Supremo Tribunal Federal, que confirmou a condenação dada pelo juiz de Caetité.

“As condições das pessoas afetadas são dramáticas. Elas se sentem impotentes frente ao grande poder das indústrias nucleares e precisam urgentemente de ajuda. A situação em Caetité ainda demonstra claramente que os problemas provocados pela energia nuclear não se referem apenas a questões como o armazenamento final dos rejeitos de alta radioatividade ou a segurança dos reatores. Eles estão presentes desde o início do ciclo, com a extração do urânio do solo”, avaliou a deputada.

Antes de ir a Caetité, Ute Koczy foi a Angra dos Reis (RJ), onde visitou a usina nuclear de Angra 2 e se encontrou com ambientalistas. Esteve também no Rio de Janeiro, Salvador e em Brasília, reunindo-se com representantes do governo, entre eles a secretária de Meio Ambiente do Rio de Janeiro, Marilene Ramos, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, e José Antonio Corrêa Coimbra, secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, além do diretor de pesquisa e desenvolvimento da Cnen, Marcos Nogueira Martins, e do encontro com a ONG AVCesio (Associação das Vítimas do Césio 137).

Ainda teve encontros com altos representantes do Partido Verde, como o presidente nacional do partido, José Luiz Penna, o secretário de relações internacionais, Marco Antonio Mróz, o presidente do PV no Distrito Federal e candidato a governador do Estado, Eduardo Brandão, o presidente do PV na Bahia, Ivanilson Gomes, e Edson Duarte, também do PV baiano e candidato ao Senado. No Rio, reuniu-se com os principais candidatos do Estado, Fernando Gabeira, Alfredo Sirkis e Aspásia Camargo.

A visita da deputada Ute Koczy foi organizada pelo escritório da Fundação Heinrich Böll no Brasil, uma organização política sem fins lucrativos, que se entende como parte da corrente política verde, representada na Alemanha pela coalizão partidária Aliança 90 / Os Verdes.

Para saber mais sobre o trabalho da Fundação Heinrich Böll, acesse www.boell.org.br.

INB contesta a Fundação Heinrich Böll

Em nota enviada pela assesoria de Comunicação da INB à Redação, a empresa contesta as denúncias feitas pela Fundação Heinrich Böll e pelos ambientalistas, divulgadas pela EcoAgência de Notícias. De acordo com a empresa,  as informações sobre suposta contaminação da água em Caetité “são inteiramente falsas” e destituídas de base técnica. Na nota, a INB salienta que toda a atividade da empresa também é fiscalizada pelo Ministério do Meio Ambiente, através do Ibama, que até o momento não teria detectado nenhuma presença irregular de urânio naquelas águas. Afirmando que a empresa “entende a posição de entidades ambientalistas contrárias ao Programa Nuclear Brasileiro”, a INB destaca que uma missão da Agência Internacional de Energia Nuclear, órgão da ONU, esteve em Caetité, durante 10 dias, “analisando todos os aspectos que envolvem a atividade da INB em Caetité, e concluiu que a operação da mina é segura e não provoca impactos ao meio ambiente”.

Sobre as contestações da INB à matéria jornalística e o seu pedido de espaço para expor a sua versão dos fatos, a Redação da EcoAgência reafirma seu compromisso com a busca da informação correta e com a apuração dos fatos. Desta forma, está aberta a publicar as diferentes versões de todos os envolvidos na questão. Salienta, no entanto, que as matérias divulgadas pela agência não refletem apenas “opiniões de grupos”, como alega a INB, e sim a preocupação de ambientalistas, especialistas, lideranças políticas e, principalmente, de moradores da região expostos aos possíveis impactos ambientais de empreendimentos deste porte. Tampouco a EcoAgência se pauta pelas versões de veículos da grande mídia e de credibilidade duvidosa, como a Revista Veja. Reafirmamos também o nosso compromisso em dar voz e oportunidade para que aqueles segmentos da sociedade e organizações não-governamentais que lidam com a causa ambiental e encontram pouco ou nenhum espaço na mídia massiva.

Leia abaixo a íntegra da nota emitida pela INB:

Em relação à reportagem que vem sendo veiculada por essa instituição a respeito de suposta contaminação da água em Caetité em decorrência da atividade de mineração e beneficiamento de urânio que é realizada pelas Indústrias Nucleares do Brasil, informamos que essas informações são inteiramente falsas. As águas das áreas situadas no entorno da mina são monitoradas regularmente desde antes do início do empreendimento e não se constatou, a partir dessas pesquisas, nenhuma alteração quanto à presença de urânio nas águas.

Em março deste ano, a CNEN, que é o órgão do Governo Federal responsável pela fiscalização, entregou ao Governo do Estado da Bahia e às Prefeituras da região relatório detalhado no qual informa que não existe nenhuma razão para o fechamento dos poços. Salientamos que toda a atividade da empresa também é fiscalizada pelo Ministério do Meio Ambiente, através do Ibama, e que até o momento não detectou nenhuma presença irregular de urânio naquelas águas.

A INB entende a posição de entidades ambientalistas contrárias ao Programa Nuclear Brasileiro. E, com o objetivo de colaborar para que essa entidade não distribua notícias sem base técnica, queremos enviar o relatório da Comissão Nacional de Energia Nuclear. Informamos ainda que no início deste ano uma missão da Agência Internacional de Energia Nuclear, órgão da ONU, formada por 7 especialistas em diversas áreas (inclusive ambiental) de diversos países esteve em Caetité durante 10 dias, analisando todos os aspectos que envolvem a atividade da INB em Caetité, e concluiu que a operação da mina é segura e não provoca impactos ao meio ambiente.

Também queremos enviar o release da AIEA, mas para isso solicitamos que nos envie endereço eletronico. A questão das águas em Caetité já foi foco de muitas matérias e denúncias. Até que em abril deste ano a revista Veja publicou nota afirmando que a “história da contaminação das águas de Caetité é cascata”, o que quer dizer no linguajar jornalístico brasileiro “é mentira”. Esperamos ter contribuído para que essa instituição tenha acesso a informações sérias, baseadas em pesquisas e estudos, e não apenas em opiniões de grupos. Estamos à disposição para maiores esclarecimentos, atenciosamente, Helena Beltrão – assessora de Comunicação Institucional e Corporativa da INB.