BA: vazamento de urânio em pó preocupa trabalhadores de mina

22/10/2012 by

 

Prezados leitores,

 

Depois de muito tempo sem blogar, resolvi publicar a seguinte matéria. Não que ela seja mais importante que os centenas de escândalos que recebo e leio sobre a questão nuclear semanalmente, mas sim, por conhecer bem de perto a questão de Caetité e o descaso com que é tratada.

Tentarei voltar a publicar em breve.

Grande abraço.

 

 

19 de outubro de 2012 • 20h07 • atualizado às 20h35

CELSO CALHEIROS

Uma falha em uma operação na mina de urânio das Indústrias Nucleares do Brasil (INB), em Caetité, a 445 km de salvador (BA), derramou urânio em pó que estava sendo embalado em um tambor. O acidente ocorreu às 9h de quinta-feira e foi comunicado ao escritório local da Comissão de Energia Nuclear (CNEM), de acordo com a INB. Os trabalhadores temem contaminação e o clima próximo do setor é de preocupação.

De acordo com a INB, o episódio é classificado como um incidente em área de embalagem do concentrado de urânio. "A área que é preparada para conter, recuperar o material, limpar e impedir que haja qualquer vazamento para outras áreas da unidade ou para o meio ambiente", explica a nota oficial. "O projeto da instalação prevê este tipo de atividade e, para isso todos equipamentos e pessoal são imediatamente acionados para resolver a questão", continua o comunidado.

A INB também garante que todos os procedimentos foram executados. "O concentrado foi recuperado e a área completamente limpa, até que não houvesse nenhum traço desse material no local".

Versões diferentes
O sindicato estima em 400 kg de urânio em pó, também conhecido como yellow cake. O volume é a quantidade de um tambor cheio. Já a INB informou que 100 kg de urânio em pó foram derramados, todo o material foi recuperado e a área ficou limpa, sem traço de material. "A área é preparada para limpar e impedir que haja qualquer vazamento para outras áreas da unidade ou para o meio ambiente", informou a empresa.

O dirigente sindical que fez a denúncia também afirmou que o clima entre os trabalhadores é de medo, pelas consequências que o contato com o pó podem gerar na saúde deles. O sindicalista pediu para não ter o nome divulgado, por temer repreensões como transferência de turno ou em local isolado de seus colegas.

A mina em Caetité é a única mina de urânio em atividade no Brasil. Sua produção é beneficiada nas próprias instalações e se obtém o yellow cake, que é enviado para a França, para ser favorecido. Depois do processo, ele retorna ao Brasil e é servido como combustível das usinas nucleares em Angra dos Reis.

O clima de desconfiança entre parte da população, dos movimentos civis organizados, como a Comissão Pastoral da Terra e sindicato de trabalhadores é antigo. O Greenpeace já denunciou, em 2008, que poços de água estavam contaminados. A CNEM, na época, disse que a radioatividade era natural, uma vez que o urânio estava na terra.

Em 2011, cerca de duas mil pessoas foram às ruas para impedir que caminhões com contêineres entrassem na mina – temiam pela recepção de lixo radioativo. De acordo com o Ministério do Trabalho, o setor chegou a ser interditado. "As instalações são inadequadas, com comunicação com o ambiente externo", disse a auditora Fernanda Giannasi.

http://noticias.terra.com.br/brasil/noticias/0,,OI6242076-EI8139,00-BA+vazamento+de+uranio+em+po+preocupa+trabalhadores+de+mina.html

ATENÇÃO VOLUNTÁRIOS ANTINUCLEARES:

05/06/2012 by

 

Estamos formando uma equipe de COLETORES DE ASSINATURAS PARA A PEC ANTINUCLEAR durante a Cúpula dos Povos (Rio+20), para cobrirmos todo o evento, tendo como base uma grande TENDA ANTINUCLEAR montada no Território do Futuro da Cúpula dos Povos no aterro do Flamengo entre 15 e 22 de junho, ONDE ACONTECERÃO ATIVIDADES MUITO IMPORTANTES.

Recomendamos levar caneta, prancheta A4 e formulários imprimidos FRENTE E VERSO pelo site da Articulação Antinuclear Brasileira:

http://antinuclearbr.blogspot.com/

<<COMPARTILHE COM AMIGOS ANTINUCLEARES!!!>>


Imagem inline 1

Rio+20 começa em Itacuruba

01/06/2012 by

 

Entre os dois eixos da Transposição de águas do Rio São Francisco, em direção ao território Pankará, onde o governo pretende instalar a primeira usina nuclear do Nordeste, no coração do Semiárido em período de seca, uma marcha de indígenas, quilombolas, movimentos sociais, populações urbanas, igrejas, homens, mulheres e crianças, inaugura a Rio+20 em pleno sertão de Pernambuco no dia 3 de junho.

As grandes obras não resolveram o problema do povo, uma usina nuclear só tende a piorar o que já é ruim. Não queremos mais uma grande obra, dessas que destroem a biodiversidade, contaminam as águas, poluem o ar, ameaçam as pessoas e ainda podem deixar lixo atômico para as gerações que viverão nos próximos 100 mil anos.

Queremos investimentos na Convivência com o Semiárido, queremos água através das adutoras para o meio urbano, garantia dos territórios das comunidades tradicionais, agroecologia, educação, saúde e a revitalização do São Francisco.

Tudo que nos prometeram falhou. Nenhuma grande obra nos ajudou. Só temos alguns resultados nas políticas sociais simples, que chegaram dentro de nossas casas, que ajudaram a melhorar nossas vidas, lembrando que boa parte delas vieram por meio da ação da sociedade civil organizada, das ONG’s, das igrejas e não diretamente dos governos.

Venham marchar conosco. Dia 3 de junho, 6h da manhã, sairemos do trevo de Itacuruba, entre Belém do São Francisco e Floresta. Vamos inaugurar a agenda dos movimentos sociais, com mobilizações que se estenderão ao mundo inteiro.

A Rio+20 – particularmente a Cúpula dos Povos – começa no dia 03 de junho, em Itacuruba, sertão de Pernambuco.

O quê? Marcha das Águas

Onde? Itacuruba – PE

Quando? 3 de junho de 2012

Realização:

Articulação Popular São Francisco Vivo

Projeto Cultura de Paz

Diocese de Floresta

Apoio:

MESPE

KINDERMISSIONSWERK

CESE

PREFEITURAS

GRE FLORESTA

Contato: marchadasaguas@gmail.com

Facebook: Marcha das Águas


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 321 outros seguidores