Xeque-mate

by

Texto escrito há dois meses pelo Professor Fabiano Cotrim, de Caetité.

18.03.2011

O que dizem agora os adoradores de urânio, que aqui em Caetité podem ser vistos em todas as esferas da comunidade? O que pode falar agora as altas autoridades locais que defendem e beneficiam a causa dos homens da radiação? Ou, mais uma vez, alheios à marcha dos acontecimentos, adotarão o silêncio covarde como estratégia de comunicação? Agora, quando o mundo assiste a mais um horror atômico, agora, o que dizem os adoradores do urânio? E o discurso da segurança fazer parte do ciclo atômico, e o apelo ecológico de distribuir mudas, de passear pelo bosque enquanto seu lobo não vem? Agora, quando o flagelo atômico assusta e mata, onde está essa gente que afirmava de boca cheia que a energia nuclear é limpa?

A tragédia japonesa, a nuclear, sobretudo, além de ser lamentável, além de merecer toda a atenção e ajuda, veio como lição definitiva do que realmente representa a energia nuclear para a humanidade, a despeito das suas vantagens econômicas, estratégicas e o escambau. O fato, a verdade, o incontestável é que a energia nuclear não compensa, pelo perigo que traz em si mesma, no seu núcleo de urânio e outros venenos mortais. Energia nuclear, definitivamente, não é uma boa idéia, não é solução, não presta, é suja, é perigosa, mata e contamina, condena gerações à morte, provoca câncer, e ponto final.

E antes que os defensores do “yellow cake” daqui da terrinha pensem em dizer que o horror nuclear japonês não vale como parâmetro, pois houve o terremoto, a tsunami, essas coisas, lhes digo: exatamente por isto, exatamente por que acidentes acontecem, é que a energia elétrica produzida por usinas atômicas, pela letalidade que lhe é inerente, deve ser imediatamente abolida da face da terra. Entendam, o imediatamente é para enfatizar a urgência, é claro que os países não podem fazer uma coisa dessas de uma hora para a outra, mas devem começar a fazê-lo, gradual e firmemente, agora, já!

Aliás, membros antigos do clube atômico, como a Alemanha, já formalizaram intenções de sair dessa roubada, de deter o perigo. Por aqui, o governo nada disse de relevante, e parece avançar para a construção de mais usinas, para a produção de mais urânio, de mais “yellow cake”. Contudo, a oposição a este terrível engano crescerá, e o curso da história pode ser outro. Ativistas, políticos preocupados com o futuro, cientistas, muita gente boa já se manifesta indicando que o planeta pode desenvolver e explorar fontes de energia limpas, muito mais seguras, muito melhores do que a nuclear.

E Caetité, para desespero maior dos movidos a urânio, é a prova viva de que uma outra realidade é possível: é daqui também que ventos novos soprarão no campo da geração de energia sustentável, é aqui que se ergue um belo e poderoso parque eólico. Definitivamente, os que não se cansam de sobremaravilhar o “yellow cake” nosso de cada dia passam por maus bocados… Sem ter argumentos, desmascarados pelas nuvens densas e opacas que turvam a paisagem contaminada da terra do sol nascente; pelos relatos de dor e medo vindos da radiação que teima em escapar das usinas japonesas, preferem não dizer nada…

Não precisa, a tragédia japonesa fala por si só, e ela nos diz com tintas de sangue: Urânio devasta, urânio também mata.

Anúncios

Tags:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: